Por iniciativa de Pacheco, JJ Duran será Cidadão Honorário do Paraná

Por iniciativa de Pacheco, JJ Duran será Cidadão Honorário do Paraná

Por unanimidade, os deputados estaduais aprovaram, em segundo turno, durante sessão ordinária ontem (25), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), a outorga do Título de Cidadão Honorário do Paraná para o jornalista e escritor argentino Juan José Duran, também conhecido como JJ Duran. A iniciativa é do deputado Marcio Pacheco (PDT).
A redação final do projeto de lei nº 634/2019 será apreciada na sessão ordinária da próxima segunda-feira (30). “Trata-se de um reconhecimento pela sua trajetória de vida. O JJ Duran tem muitas histórias impressionantes sobre como superou as dificuldades durante o Regime Militar na Argentina, o exílio fora do seus País e depois como construiu uma grande família aqui no Brasil. Prestamos essa homenagem por todo esse legado de vida”, afirma Pacheco.
Essa história começa em 16 de junho de 1929, quando nasce JJ Duran em Buenos Aires, Argentina. Oriundo de uma família tradicional da Capital Argentina, Duran experimentou o movimento estudantil, a resistência ao Regime Militar, entrou na política e virou um jornalista respeitado, sempre com um olhar crítico sobre a realidade argentina, sul-americana e até do mundo.
Como jornalista, profissão que exerce até hoje, já com os seus 90 anos, trabalhou nos jornais mais tradicionais da Argentina, como La Nacion, El Mundo e Codex. Em Lima, no Peru, atuou no El Comércio. Em Paris, na França, trabalhou no Ce Soir. Em Madri, na Espanha, atuou no ABC de Madri.
Viveu como exilado político por 16 anos na Suíça, França, Inglaterra, Espanha, Peru, Chile, Panamá e Estados Unidos. Cansado dessa peregrinação pelo mundo, Duran resolveu experimentar uma nova vida em terras brasileiras, sem se importar com a rivalidade histórica no futebol entre os brasileiros e os argentinos.
Essa trajetória de vida começou a ser reescrita há 39 anos, quando desembarcou em Cascavel, no oeste do Estado, com apenas uma mala de roupa e U$ 200,00 no bolso. Na Capital do Oeste, JJ Duran encontrou a paz, a solidariedade, o respeito e a família que faltava.
Mais do que isso, o amor de sua vida. Em 1984, o jornalista conhece e se apaixona por Ana Maria Theodorovicz. Uma jovem e ex-enfermeira. Mais tarde ela iria ser sua esposa.
O casal teve 17 filhos: Juan, Carlos, Cézar, Patrícia, Miguel, Gustavo, Paulo, Ana Maria, Carolina, Vitória, Daniela, Gabriel, Luana, Cláudia, Jorge e Francisco, todos foram adotados ainda recém-nascidos.
JJ Duran e Ana Maria tiveram apenas um filho biológico: Pedro Leonardo Duran, atualmente com 33 anos.
Duran diz que a sua casa esteve sempre aberta para quem precise de uma família ou lar. ‘‘Deus e o Brasil me deram uma grande e amorosa família’’, lembrando que, ao sair da Argentina, encontrou pessoas que o acolheram em Cascavel ‘‘como irmãos’’, e nunca sofreu qualquer tipo de discriminação.
HISTÓRICO DE JJ DURAN

Filho do editorialista e servidor público Pedro Duran e da professora Idalina Saenz, Juan José Duran ou simplesmente J.J. Duran, nasceu em 16 de junho de 1929, em Buenos Aires, Argentina.
Cursou os ensinos primário e médio no Colégio La Salle e se formou em Comunicação Social pelo Instituto Moreno, em 1951.
Foi eleito deputado federal pela Província de Buenos Aires em 1963.
Viveu como exilado político por 16 anos na Suíça, França, Inglaterra, Espanha, Peru, Chile, Panamá e Estados Unidos.
Entre 1996 até 2012, foi assessor especial do Município para Assuntos do Mercosul nas gestões de Fidelcino Tolentino, Salazar Barreiros, Edgar Bueno e Lisias Tomé.
Nas horas vagas, também atua como escritor, profissão que o tornou membro da Academia Cascavelense de Letras, e teve breve passagem pelo mundo do cinema. Está concluindo um livro sobre a trajetória da política argentina.

HOMENAGENS

Título de Cidadão Honorário de Cascavel, em 1996;
O prêmio destaque Latino-Americano, em 2000;
Prêmio Vitrine Cidadania da TV Tarobá, em 2001;
Diploma de Honra ao Mérito Cinematográfico de Cascavel, em 2001;
Diploma de Mérito Universitário em Jornalismo da Univel, em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *