Pequenos agricultores participam do 1º Congresso Paranaense de Agricultura Urbana que foi realizado na Agrotec/Fundetec em Cascavel

Foto: Asscom da Prefeitura

Pequenos agricultores participam do 1º Congresso Paranaense de Agricultura Urbana que foi realizado na Agrotec/Fundetec em Cascavel

“Nós temos no perímetro urbano uma grande fazenda. E, porque não transformar estes 21 mil terrenos baldios em lotes produtivos, que além de renda vai gerar também autoestima, o resgate da dignidade, segurança e deixar nossa cidade mais bonita?”. As palavras foram ditas pelo prefeito Leonaldo Paranhos a cerca de 200 pessoas que lotaram o auditório da Fundetec (Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico de Cascavel) onde foi realizado ontem (27), o 1º Congresso Paranaense de Agricultura Urbana.

O evento foi promovido pelo governo municipal, através do Território Cidadão.“Nós estamos ocupando os terrenos públicos, mas o programa é extensivo para as pessoas  que têm lotes baldios. A ideia é incentivar a produção ou disponibilizar o imóvel para o programa. Queremos transformar estes alimentos na cadeia produtiva”, completou o prefeito Paranhos que disse também que para ampliar o plantio de alimentos no perímetro urbano, deve enviar à Câmara de Vereadores projeto que determina punição mais severa a proprietários de lotes tomados pelo mato ou desconto e benefícios para os donos de imóveis produtivos inseridos no agricultura urbana. O projeto deve ser enviado ainda este ano para apreciação dos vereadores.

1º Congresso Paranaense de Agricultura Urbana

Durante todo o dia foram realizadas palestras, oficinas e workshops com temas voltados à produção nas pequenas propriedades. “Com este evento nosso objetivo é difundir as práticas e as experiências que conseguimos reproduzir aqui em Cascavel com as nossas hortas da agricultura urbana. A intenção é levantar diretrizes, caminhos e propostas para que possamos levar a agricultura urbana que tem dado tão certo em Cascavel, também para todo Estado do Paraná  e porque não para o resto do País”, disse o gerente do Território Cidadão, Ailton Lima.

Agricultura Urbana em nossa cidade

Em Cascavel o programa municipal de Agricultura Urbana foi iniciado em 2017 e pensado para toda a comunidade, em especial nos bairros que compõem os territórios do Município, envolvendo várias secretarias municipais, parceiros, entidades, ONGs (Organização Não Governamental), OSCs (Organização da Sociedade Civil), cooperativas, associações de moradores e universidades.

O foco principal deste programa é implantar hortas, hortos medicinais e aromáticos, ocupando terrenos baldios ociosos na área urbana e periurbana do Município para a produção de alimentos saudáveis, livres de defensivos agrícolas, sendo um instrumento de ação social e uma excelente estratégia de segurança alimentar e nutricional, incluindo outros aspectos relevantes como o controle da segurança pública, o combate à dengue, geração de renda, inclusão social, qualidade de vida e a colaboração ao meio ambiente.

Hans Dieter Temp, da ONG Cidade Sem Fome, de São Paulo, um dos palestrantes do evento veio falar da experiência naquele Estado com a agricultura urbana. De acordo com ele o alvo do programa paulista é o público formado por pessoas desempregadas, com idades avançadas e que estão fora do mercado formal do trabalho, por conta destes fatores  e ainda a falta de escolaridade ou capacitação profissional. “Esta pessoas encontram nas hortas comunitárias uma oportunidade de inserção social e de resgate de sua cidadania”.

A produção da Agricultura Urbana de Cascavel é feita por voluntários e se destina ao autoconsumo das famílias envolvidas , mas pode também abastecer cozinhas comunitárias, restaurante popular e para venda do excedente no mercado local, por meio de associações de agricultores urbanos formados em cada território, resultando em inclusão social, melhoria da alimentação, geração de trabalho e renda dos envolvidos, bem como o sentimento de pertencimento aos colaboradores e integrantes do programa.“ O programa desenvolvido em Cascavel desde 2017 é referência para muitos Municípios e Estados. Hoje nós temos mais de 200 famílias envolvidas neste projeto. No início a previsão era de que a agente conseguisse apenas manter os terrenos baldios limpos, mas nós conseguimos bem mais com o Agricultura Urbana.Nós conseguimos a recuperação da saúde de muitas pessoas que encontraram no trabalho o remédio para a depressão, a melhoria na convivência social”, falou o Gestor do Território Cidadão, José Carlos da Costa, o Cocão. “Este programa, deu muito certo. Estamos com 62 hortas (áreas) implantadas e vemos o envolvimento da comunidade. É gratificante ver as famílias consumido os produtos que elas mesmas plantaram, se alimentando bem, tendo renda extra com a venda do excedente dos produtos que cultivam nas hortas. Uma transformação muito grande na vida das famílias. Elas são felizes”, disse o técnico agrícola, responsável pelo Programa Agricultura Urbana, Patrick Tristacci.

Também participaram do evento, o vereador Carlinhos de Oliveira, o secretário de Agricultura, Ney Haveroth, o presidente do Sindicato Rural Patronal, Paulo Orso, o deputado estadual professor Lemos e  representantes de instituições de ensino, além de  produtores e representantes das ONGs Iadas, Instituto Colmeia e Copcraf que são parceiras do Programa AU em Cascavel.

Texto Via/Asscom da Prefeitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *