FELIZ NATAL Is. 09:1-6; Sl 96; Tt. 02:11-14; Lc. 02:,1-14

“Hoje, a Paz verdadeira desceu do céu; hoje, os céus e a terra espalham ternura; hoje, raiou o dia do novo resgate de eterna alegria, há muito esperado.”  Mas, por que tanta exultação? Por que tanta luz? Por que tanta esperança, tanta ternura, tanta paz?

Hoje, cumpriu-se as Escrituras, o Dia tão esperado brilhou no meio da noite. Hoje, o povo, que andava nas trevas, a humanidade perdida e confusa, viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, para nós, que temos sempre de lutar contra tantas e tantas mortes, “uma luz resplandeceu.

Nesta Noite podemos comemorar, nos alegrar como os que colhem depois do trabalho e do suor do plantio, porque algo inacreditável, algo que parece um sonho, um conto de fadas, nos aconteceu. Escutai: “Nasceu para nós um Menino, foi-nos dado um Filho; ele traz nos ombros a marca da realeza; o nome que lhe foi dado é: Conselheiro Admirável, Deus Forte, Pai da eternidade, Príncipe da Paz. Grande será o seu reino e a paz não há de ter fim… a partir de agora e por todo sempre!”  Eis a graça, a glória, o mistério desta Noite. Por isso a alegria, o Deus fiel cumpriu o que prometera e ultrapassou toda promessa.

Nesta Noite tão santa, tão única, tão cheia de alegria, como são comoventes as palavras do Apóstolo Paulo: “A graça de Deus se manifestou trazendo salvação para todas as pessoas. Ela nos ensina a abandonar a impiedade e as paixões mundanas e a viver neste mundo com equilíbrio, justiça e piedade”. (Tito 2: 11-12)

A graça de Deus é uma Criança, o Menino que nos foi dado. A graça de Deus está “envolvida em faixas e deitada numa manjedoura”. Que graça pequenina, que graça tão grande, que graça tão frágil, que graça tão forte. Quem é tão duro de coração, que não se comova? Quem é tão desumano, que não se emocione? Quem é tão pecador, que não queira aproximar-se de Deus? Quem é tão insensível, que não sinta, nesta noite, o desejo de amar, o desejo de ser bom, o desejo de paz, o desejo de se deixar abraçar por Deus? “Não tenham medo!”  Quem quer que sejas não temas. Não tenhas receio pelos teus pecados, não te afastes da graça desta noite por causa das tuas infidelidades.  Hoje, teu Deus vem a ti, vem a ti a paz, vem a ti o perdão, vem a ti a misericórdia, vem a ti a plenitude do teu coração e o sonho da tua vida. Hoje nasceu para você, para nós, um Salvador.

Presta bem atenção: porque você é fraco, ele veio sustentar-te, porque você é inconstante, ele veio permanecer contigo, porque você muitas vezes não sabe o caminho, ele se fez visível na nossa carne para andar conosco, porque você vive em trevas, ele apareceu como luz, porque você não pode subir a Deus, ele desceu para te elevar. Que amor tão grande, e sem medida. Nesta Noite a Virgem deu à luz ao próprio Deus na nossa humanidade mortal. Abramos nosso coração, abramos nossa vida, nossos afetos, nossos sentimentos, nossos projetos para o mistério desta Noite.

No entanto, se olharmos bem para o sentido do Natal, vamos perceber uma medida extrema tomada por Deus para recuperar a humanidade perdida; teve que assumir a natureza humana, vindo a ser servo, esvaziando-se, humilhando-se e sendo obediente até a morte para nos alcançar.  Portanto, estejamos atentos, porque Aquele que vem como luz no meio da noite, vem pobre, humilde, pequeno, frágil… somente poderá ser reconhecido se prestarmos atenção aos seus sinais, atentos às coisas pequenas, atentos aos irmãos mais frágeis, atentos aos que no mundo parecem a toa, sem valor, sem importância, sem poder… O Menino somente pôde ser encontrado e reconhecido pela pobre Virgem Maria, pelo humilde José, pelos desprezados pastores…  Os soberbos, os prepotentes, os esbanjadores, os orgulhosos jamais receberão a graça desta Noite.

Somos cristãos, precisamos tomar consciência de nossa dignidade, não somos mais um bando anônimo vivendo a esmo, temos uma origem, o DNA de Deus, herdado por Cristo. O profeta Isaias chama nossa atenção para um fato muito importante, que muitas vezes desprezamos: “Olhem para a rocha de onde vocês foram tirados, Levante vossos olhos para o céu, dêem uma olhada para a terra; o céu se desmancha como fumaça, a terra se desgasta como roupa velha e seus habitantes morrem como moscas, só a minha salvação é eterna, só a minha justiça não tem fim” (Is.51:1s).

Quando uma pessoa se torna cristã, Deus concede a ela uma completa e nova capacidade espiritual e moral. A renovação da mente, não traz simplesmente uma renovação de caráter, mas uma transformação do velho ser, num novo ser, criado segundo a imagem e semelhança de Deus. Em Cristo, o velho ser já não mais existe como existia no passado, o novo ser é criado à própria imagem e semelhança de Deus. É o que Paulo nos afirma: “É preciso que vocês se renovem pela transformação espiritual e se revistam do homem novo, criado segundo Deus na justiça e na santidade. (Ef.4:23-24).

Por tudo isso, concluímos como iniciamos: “Hoje, a Paz verdadeira desceu-nos do céu, hoje, os céus e a terra espalham ternura, hoje, raiou o dia do novo resgate de eterna alegria, há muito esperado. Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus ó terra inteira… na presença do Senhor, pois ele vem.

Feliz Natal a todos. Que reine no coração de todos a graça desta noite, com muita paz e esperança, para honra e glória de nosso Deus Eterno.  Amém.

IGREJA ANGLICANA EM CASCAVEL

Rev. Marialvo Rodrigues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *